quinta-feira, 18 de março de 2010

Arrrgh!

Tem coisa que me enoja!
Eu sou sincera. Não da boca pra fora. Sou por convicção mesmo.
Dia desses um amigo meu me disse que sou muito desbocada, e que isso assusta aos homens.
Acho que ele nunca ouviu tanto desaforo na vida!
Falei muito, dei uma puta lição de moral nele e disse que, se se incomodava, podia se afastar, sem problemas. Ele ainda é meu amigo...
E é assim. Eu não falo o que penso. Eu penso o que falo!
Costumo dizer que minha língua é mais rápida que meu cérebro. Primeiro eu falo, depois eu penso. 
Se perceber que errei, me desculpo. Nem sempre adianta, mas sou assim. Não pretendo mudar, não pretendo deixar de assustar as pessoas. Mesmo porque quem eu amo continua comigo, apesar dessa língua de trapo que eu tenho.
Às vezes eu tento ser mais poética, às vezes eu tento levar a vida sob um olhar mais filosófico. Mas não dá pra ser cult o tempo todo.
Eu falo palavrão. Raramente, de uns tempos pra cá, mas falo.
Duvido que alguém, quando bate com o dedão do pé no pé na cama, diga: "Ah! Mas que falta de sorte a minha". O caralho! 
A pessoa diz logo: Puta que pariu! Que que essa porra de cama tá fazendo no meio do quarto?
Claro que me comporto em meio a reuniões de família, com meus alunos e seus pais, na escola e tudo mais.
Mas quando estou entre amigos, ou pessoas que não fazem parte de minha vida profissional, e não gosto de alguma situação ou de algum comentário, mando tomar no cu mesmo! Depois argumento, mas que eu xingo, eu xingo.
E me irritam as pessoas que se mostram intelectuais o tempo todo. Pessoas que medem as palavras o tempo todo.  Rasgação de seda, então, me dá uma ojeriza descomunal! Mesmo em situações que parecem que pedem um vocabulário mais rebuscado. 
O que vejo por trás disso é uma puta falsidade. Segundas intenções mascaradas. 
Qual o problema em segundas intenções? Nenhum. O problema são os jogos. 
Não sei jogar, não sei me conter. Falo logo o que quero e quero saber logo se rola ou não.
Não dá pra ficar esperando, nem dissimulando.
Te assusta? Fuja, então! E rápido!




Um comentário:

Karoláine B. Sizenando disse...

Gostei do post, adoro sabe que em um mundo tão diverso as pessoas ainda continuar falando o que pensão sem medir a gravidade da coisa, não é pra botar lenha na fogueira, mais não tem nada melhor do que debates de opiniões. Afinal somos diferentes e isso que nos torna únicos. :)